Em outro mundo

By | 04:16 Leave a Comment


Certa noite acordei assustado, olhei no relógio, quero dizer celular, pois não possuo relógio, era 2:00 da manhã, um barulho estranho na rua, fiquei com aquele medo que sujeito homem não pode ter, eu me segurei, pois tem um ditado que diz homem não pode ter medo, eu cresci ouvindo essa baboseira, mas o fato era que eu estava com medo, o barulho era estranho, não se ouvia vozes. Quando abri a porta e botei o nariz pra fora veio aquele clarão, uma luz muito forte, eu não conseguia ver o que era mas fui atraído pela luz, era como se estivesse sendo puxado. Quando me aproximei mais percebi que era um objeto estranho, similar a uma aeronave, quando percebi isso fui totalmente sugado para dentro dela, fui instalado em uma cadeira, caiu sobre minha cabeça um capacete, apareceu uma tela, a tela começou a mostrar um planeta, e foi aproximando rapidamente, em poucos segundos fui apresentado através da tela e o capacete a um mundo que não conhecia, aprendi coisas que não consegui aprender nos meus cinquenta anos vivendo na terra. Eu sabia que planeta era aquele qual a população seus hábitos, o governo, os problemas enfrentados durante anos. Mas tinha algo que não saía da minha cabeça: _ Como aqueles alienígenas pareciam com os humanos.


Em poucos segundos eu aprendi tudo que se podia aprender sobre a história daquele mundo novo, e sem mais nem menos comecei a aprender a língua deles, era muito diferente, mas aquele método de ensino era rápido, em segundos aprendi a falar como ninguém me apareceu uma moça alienígena, e começou a explicar que o planeta deles foi devastado e que precisava de ajuda, apareceu dois rapazes fortes, e a moça continuou a explicar que uma força devastadora um exército maligno destruiu tudo que se possa imaginar do mundo deles, de tudo que existia naquela que era a morada de milhões agora era só poeira e destroços, precisavam de um lugar pra morar.


Comecei a pensar, podia entregar eles ao Geraldo Alckmin, não acho que não, o exército brasileiro, a USP, é vou entrar em contato com a USP. Foi quando a moça disse você aceita um drink e me veio com um copo todo enfeitado eu nunca tinha visto um copo daqueles na terra, e tinha algo dentro que eu não consegui identificar.


Foi quando eu ouvi uma voz, querido, querido, pare com isso você está bebendo a água da minha dentadura, você tem que ir no médico para tratar esse seu sonambulismo.


By Gilvan

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
Postar um comentário